NOTA DA SUPERINTENDÊNCIA

A Superintendência vem a público esclarecer que o Shopping Piratas está localizado em frente a um local de baixio, com um manguezal, e infelizmente, vários descartes de esgoto, onde os dejetos dos bairros do Balneário, Parque das Palmeiras, Sapinhatubas, Praia do Jardim e Marinas são lançados ao mar, muitas vezes sem tratamento.

A Prefeitura de Angra dos Reis através do SAAE, fez em 2018 uma grande obra no Parque das Palmeiras e Balneário, desviando o esgoto destes bairros para uma rede própria ligada a uma Estação de Tratamento de Esgoto na Praia da Chácara, que entrará em funcionamento este ano.

Os manguezais são ecossistemas importantes na produção e exportação de detritos orgânicos para as águas estuarinas, onde os detritos em suspensão nas águas permitem a alimentação e a procriação de espécies, proporcionando a renovação da vida marinha.

Entretanto, décadas de descartes de dejetos diretamente na Baía da Ilha Grande, fez com que essa região de baixio acumulasse uma grande quantidade de material orgânico e mineral, que com o calor insuportável nesta temporada de verão, tem agravado uma situação dando ao mar uma coloração anormal e uma aparência estranha em toda a micro-região, motivada por  uma reação orgânica, estimulada pela propulsão das embarcações na água e movimento das marés, com destaque para a área em que o Shopping Piratas, Marina Piratas, Piratas Residence, Rodoviária e Iate Clube Aquidabã estão localizados. Devido a isto, algumas pessoas desinformadas, ou com finalidade de promover a desinformação,  que tem levado para as redes sociais informações inverídicas, que não condizem com a realidade fática do local, confundindo as pessoas com inverdades sobre este ocorrido, misturando informações, aproveitando-se do clima de “tribunais no facebook”.

Como sabemos, 1 litro de óleo de cozinha despejado no esgoto, contamina 1 milhão de litros de água. A ETE que que está sendo construída pela prefeitura e que segundo informações, entrará em operação ainda este ano, reduzira muito este estrago. Trabalho este, que o Shopping Piratas já vem realizando há algum tempo.

Preocupado com o meio ambiente, com a qualidade de vida e sustentabilidade, no último ano o Shopping Piratas investiu bastante para que não houvesse problema com o mar. As caixas de gordura foram refeitas, com uma parede externa extra, onde impede totalmente quaisquer vazamentos que pudessem acontecer momentaneamente em seus restaurantes. Foi substituída toda a tubulação de esgoto dos restaurantes e lanchonetes, com as peças metálicas sendo trocadas por aço inoxidável.

Em todos estes anos de funcionamento, o esgoto do shopping era filtrado e enviado ao emissário submarino, e a parte retida era encaminhada por empresa especializada, para tratamento fora de Angra dos Reis. Tudo isto dentro de critérios ambientais corretos, onde as empresas prestadoras têm seus manifestos em dia junto aos órgãos ambientais. Mas até o emissário submarino foi bloqueado, e agora o esgoto tratado é mandado para a rede do SAAE, na Estrada do Marinas.

Sendo um fundo de baía e baixio, o cheiro forte sempre incomodava os clientes nos restaurantes em dias de maré vazante. O golpe definitivo neste odor desagradável foi a utilização do saneamento biológico nas caixas de esgoto, e áreas degradadas no subsolo. O Shopping agora usa nas caixas de gordura um produto biorremediador, que possui como princípio ativo bactérias gram-positivas, em forma de bacilos e esporuladas.

Depois de tentativa com três empresas, O Piratas acertou a contratação da que deu melhor resultado, que já é sensível aos clientes do píer e dos restaurantes de frente para o mar. É evidente que a capacidade microbiana de metabolizar diferentes compostos orgânicos, naturais ou sintéticos, é o que possibilitou o emprego desses agentes biológicos como solução aos problemas gerados pelos rejeitos, que mesmo sendo filtrados, não tinham uma solução plena. Agora temos a emissão zero de poluentes ao mar, e esperamos que nossos vizinhos ao longo tempo façam a mesma coisa, já que estamos em um fundo de baía, onde os odores ficam mais evidentes.

O píer, já com algumas décadas de uso, precisou de manutenção plena em sua estrutura, com limpeza dos canais existentes, permitindo a circulação de água do mar na área norte da Praia da Chácara. Podemos encontrar nestas cavernas abertas, famílias de capivaras, e tartarugas nas proximidades, comprovando a volta da balneabilidade e a circulação de peixes na região. O fato de termos desobstruído definitivamente os túneis embaixo do píer, que permitem a circulação da água, traz para nossa frente as vezes lixo e gordura dos vizinhos, tanto a água que ainda vai direto do rio da Praia da Chácara (que está em obra), quanto os rios que passam ao lado da Marina, e da Praia da Chácara, vindo das Sapinhatubas, sem tratamento.

Contrário ao cenário de degradação, o Shopping recolhe o óleo de cozinha usado por seus restaurantes e o encaminha para a reciclagem com certificação, assim como parte dos resíduos sólidos produzidos, como caixotes, latas e papelões, gerados pelo empreendimento, dentre outros materiais, também são encaminhados.

O Shopping Piratas sabe que a sua maior riqueza ambiental é o seu mar, e tem feito ações constantes para melhorar a sua frente. O Shopping trata seu esgoto, encaminha para a rede do SAAE, e o que está acontecendo no mar é uma reação biológica e química em função do enorme calor e acúmulo de dejetos de vários anos por terceiros. Contamos com a colaboração de todos na preservação da Baía da Ilha Grande. O Shopping Piratas reafirma publicamente que está compromissado com o meio ambiente e a sustentabilidade de nossa cidade.

Angra dos Reis, 22 de janeiro de 2019,

Wilson Costa Filho,  Superintendente do Shopping  Piratas.